Viña del Mar: Conheça as principais atrações da Cidade Jardim

Depois de Valparaíso é a vez de falar de Viña del Mar, a vizinha litorânea mais “sofisticada” e que atrai turistas de todo o país. Conhecida como “La Ciudad Jardín”, ou Cidade Jardim em português, a cidade abriga aproximadamente 300 mil habitantes.

E, se em Valpo não se pode dar um mergulho por ser uma área portuária, em Viña não faltam pessoas em trajes de banho. Pois é, os chilenos reservaram esse pedaço litorâneo para aproveitar as delícias da praia, muito embora seja difícil conseguir dar um mergulho nas águas congelantes do Pacífico (não sei você, mas para mim é impossível!).

chile 2007 26 grandeDSC00929 grandechile 2007 6 grandechile 2007 9 grande

Para os friorentos como eu, o jeito é aproveitar a areia para tomar um sol. Por serem muito bem cuidadas – com direito a belos coqueiros e espreguiçadeiras – as praias têm aquele “quê” de Miami Beach, sendo Reñaca a mais badalada da região. Mas vale também dar uma esticada até Concón, um município próximo que pertence à cidade e dispõe de várias dunas à beira da praia. Recomendo subir no topo das dunas no final do dia para apreciar a vista durante a “golden hour”. Basta permear os chamativos prédios à beira-mar construídos em degraus como uma escada.

chile 2010 2

DSC08118

A cidade de Viña del Mar em si não é diferente da costa: super bem cuidada. Além disso, é bem preparada para receber turistas e dispõe de diversos eventos culturais ao longo do ano, como o Festival de La Canción e o Festival de Cine, além de ótimas opções de hotéis e restaurantes (mas isso já é assunto para outro post!).

O que não pode faltar no roteiro de quem vai pela primeira vez é: passar pela Plaza José Francisco Vergara, no centro da cidade e, quem sabe, andar em uma das carruagens que ficam ali paradas. De lá, a próxima parada obrigatória é dar um giro pelo Parque Quinta Vergara, onde há uma feirinha de artesanato e o anfiteatro onde acontece o festival de música.

Aproveite o próximo dia para conhecer o Teatro Municipal, observar a estátua La Defensa de Rodin, em frente ao Palácio Carrasco e visitar o Museu Fonck.

Quando estiver passeando pela praia, dê uma passada – e divirta-se – no Casino de Viña Del Mar. Por ali, andando pela orla, você provavelmente avistará o Castillo Wulff, um castelinho fofo construído sobre as pedras do mar. Se quiser, vá até ele para apreciar a vista lá do alto. E, por fim, não se esqueça de tirar uma foto em frente ao Relógio de Flores, principal cartão-postal da cidade.

chile 2007 11 grande chile 2007 27 grande DSC08066 DSC08050 Fotos Chile (251) grande Fotos Chile (217) grande

*É possível se locomover entre Viña e Valparaíso de metrô, de ônibus ou de “coletivo”, uma espécie de táxi que, assim como os ônibus, tem um roteiro definido e vai pegando gente pelo caminho. Todos os chilenos usam esse tipo de transporte e é bem barato.

Baruk: rodízio árabe para se fartar em SP

foto (1)

Se você é desses que gosta de se fartar de comer, os rodízios são sempre a melhor opção. Mas se quando falam em rodízio você logo pensa em comida japonesa ou pizza, está na hora de mudar seus conceitos. Foi o que aconteceu comigo durante a primeira experiência no Baruk, no Itaim Bibi, uma abundância, só que ao estilo árabe.

Algumas das tradicionais receitas do Oriente Médio e seu entorno podem ser pedidas à vontade por um valor fixo de R$ 37,90 no almoço (de segunda à sexta sai por R$ 35,90) e R$ 39,90 no jantar.

É a hora de aproveitar para pedir tudo o que tiver vontade. O cardápio variado permite escolher, entre outros pratos, esfihas abertas e fechadas, kibes crus e fritos, homus, coalhada seca, charuto de folha de uva e arroz marroquino. Todas as opções são servidas em quantidade modesta, mas com ótima apresentação, em delicados pratinhos quadrados. Mas não se sinta acanhado para repetir quantas vezes aguentar, como eu fiz com o kibe cru. #guilty

Para beber, vale experimentar o inusitado suco de damasco, que vem bem gelado e com uma consistência cremosa, assim como a fruta. Para ficar ainda melhor, a sobremesa está inclusa no rodízio. Só fica difícil ter que escolher entre o sorvete de canela com calda de nozes, a coalhada fresca com mel ou o arroz doce.

Serviço:

Itaim Bibi

Rua Bandeira Paulista,399

Tel: (11) 3895-9990

Vila Olímpia:

Alameda Raja Gabaglia, 160

Tel: (11) 3045-9999

Le Pain Quotidien: pães artesanais e doces bem feitos

A Le Pain Quotidien não é aquela padaria para comprar o tradicional pãozinho francês de todos os dias, mas é desses lugares que vale a pena se dar ao prazer de ir de vez em quando – e digo de vez em quando devido aos preços não muito camaradas, se comparados às padarias tradicionais. Mas passar à frente da vitrine de uma das três lojas da rede belga é uma tentação difícil de controlar.

Além dos gigantescos pães artesanais feitos com farinha orgânica, os belíssimos doces prendem o olhar. Me peguei desejando uma fatia do cheesecake com calda de frutas vermelhas (R$ 15,00) e fui obrigada a experimentar.

foto (4)foto (3)

A fatia é bem servida e leva cream cheese e uma massa de biscoito macia na base. Já o açúcar é quebrado pela acidez da  calda vermelha que vem por cima. Uma delícia!

Vale lembrar que a rede belga é conhecida internacionalmente e possui lojas em diversas cidades da Europa e Estados Unidos. Sempre mantendo a mesma proposta de cozinha orgânica/artesanal e o estilo rústico da decoração.

O ambiente, decorado basicamente com madeira, ajuda a dar um gostinho a mais, com um toque caseiro. Para quem não sabe, a rede faz grande sucesso lá fora. E em nada menos que 17 países, entre eles França, Estados Unidos, Austrália, Espanha e, claro, Bélgica.

Serviço:

Vila Madalena:
Rua Wisard, 138
Tel: (11) 3031-6977

Vila Olímpia:
Shopping Vila Olimpia
Rua das Olimpiadas, 360
Tel: (11) 3047-6541

Itaim Bibi:
Rua Pais de Araujo, 178
Tel: (11) 3078-0383

Cidade Jardim:
Shopping Cidade Jardim
Avenida Magalhães de Castro, 12.000
Tel: (11) 3758-3597

Jundiaí:
Jundiaí Shopping
Avenida 9 de Julho, sem número
Tel: (11) 4526-2024

Bem-vindos!

Curiosa e independente desde criancinha, a vontade de descobrir lugares novos, experimentar comidas diferentes e viver experiências inusitadas sempre foi o combustível que me impulsionou a querer desbravar as maravilhas que esse mundo tem a nos oferecer.

Essa curiosidade, aliás, é o que talvez tenha me levado a escolher o jornalismo como carreira. Mas de curioso todo mundo tem um pouco. É essa a lenha que impulsiona qualquer um a seguir vivendo, descobrindo (e se redescobrindo) – um atestado de estar vivo. Afinal de contas, quem é que não gosta de conhecer lugares novos, experimentar sabores diferentes e vivenciar experiências inusitadas? Se tem, eu desconheço!

Segundo os dicionários, curiosidade é “o desejo de saber as coisas” ou “desejo de desvendar, saber ou ver”. E, convenhamos, a vida é muito curta para não expandirmos nossos horizontes aproveitá-la ao máximo. Por isso, cada nova descoberta é válida. E não precisa ser em outro continente não; pode ser até mesmo a nova padaria que abriu na esquina da sua casa. O legal mesmo é desfrutar do que cada lugar tem de bom para oferecer: seja uma vista maravilhosa perto da sua região, um cafezinho bem feito no seu bairro, um prato mais elaborado ou o melhor pãozinho da cidade.

O que vale mesmo é apreciar as pequenas e as grandes coisas. É ter o gostinho de descobrir quais são os seus ‘points’ e pratos preferidos para poder voltar ou repetir a dose depois. Mas, quase tão bom quanto a descoberta em si, é poder compartilhá-la com outras pessoas, certo Por isso, compartilho aqui minhas descobertas e experiências na esperança de ajudar você na sua próxima viagem ou passeio. Vem comigo e vamos dar 1001 voltas por aí, seja logo ali do lado ou cruzando fronteiras! 😉